Literatura Infantil  
 



BRASIL, Mulher, de 20 a 25 anos, Portuguese
border=0
 
   Arquivos

 
border=0
Outros sites

 Contando Histórias
 Contos Infantis
 Histórias que contava para meu neto


Votação
Dê uma nota para meu blog



border=0
 


 

Qual dessas histórias é a sua preferida???

 

 

 

         

Branca de Neve

        

 

Aladim

  

 Cinderela

 

 Veja o que sabe sobre as clássicas histórias infantis, através do link:

 

 http://carolguxavg.googlepages.com/cruzadinha.htm



Escrito por Caroline Vergara às 17h51
[   ] [ envie esta mensagem ] [ ]






 

A literatura infantil contribui para o crescimento emocional, cognitivo e para a identificação pessoal da criança, propiciando ao aluno a percepção de diferentes resoluções de problemas, despertando a criatividade, a autonomia, a criticidade, que são elementos necessários na formação da criança de nossa sociedade atual. As situações de interação, contato e manuseio de diferentes materiais escritos são importantes para a aprendizagem da leitura e da escrita. Mas, será ainda mais enriquecedor se este manuseio e contato for com histórias de literatura infantil, pois os desenhos maravilhosos e os enredos instigantes que se encontram explícitos nos livros são como uma chamada, um convite que fascina a criança, proporcionando-lhe imenso prazer e interesse.

 

 

Quer ver o que se aprendeu?Complete as lacunas, pelo link:

http://carolguxavg.googlepages.com/lacunas.htm

 



Escrito por Caroline Vergara às 20h58
[   ] [ envie esta mensagem ] [ ]






Quais as histórias adequadas para cada fase da vida criança

 

 

 1 a 2 anos:

A criança, nessa faixa etária, prende-se ao movimento, ao tom de voz, e não ao conteúdo do que é contado. Ela presta atenção ao movimento de fantoches e a objetos que conversam com ela. As histórias devem ser rápidas e curtas. O ideal é inventá-las na hora. Os livros de pano, madeira e plástico, também prendem a atenção. Devem ter, somente, uma gravura em cada página, mostrando coisas simples e atrativas visualmente. Nesta fase, há uma grande necessidade de pegar a história, segurar o fantoche, agarrar o livro, etc..

2 a 3 anos:

Nessa fase, as histórias ainda devem ser rápidas, com pouco texto de um enredo simples e vivo, poucos personagens, aproximando-se, ao máximo, das vivências da criança. Devem ser contadas com muito ritmo e entonação. Tem grande interesse por histórias de bichinhos, brinquedos e seres da natureza humanizados. Identifica-se, facilmente, com todos eles. Prendem-se a gravuras grandes e com poucos detalhes. Os fantoches continuam sendo o material mais adequado. A música exerce um grande fascínio sobre ela. A criança acredita que tudo ao seu redor tem vida e vivência, por isso, a história transforma-se em algo real, como se estivesse acontecendo mesmo.

3 a 6 anos:

Os livros adequados a essa fase devem propor "vivências radicadas" no cotidiano familiar da criança e apresentar determinadas características estilísticas.

Predomínio absoluto da imagem, (gravuras, ilustrações, desenhos, etc.), sem texto escrito, ou com textos brevíssimos, que podem ser lidos, ou dramatizados pelo adulto, a fim de que a criança perceba a inter-relação existente entre o "mundo real", que a cerca, e o "mundo da palavra", que nomeia o real. É a nomeação das coisas que leva a criança a um convívio inteligente, afetivo e profundo com a realidade circundante.

As imagens devem sugerir uma situação que seja significativa para a criança, ou que lhe seja, de alguma forma, atraente.

A graça, o humor, um certo clima de expectativa, ou mistério são fatores essenciais nos livros para o pré-leitor.

As crianças, nessa fase, gostam de ouvir a história várias vezes. É a fase de "conte outra vez".

Histórias com dobraduras simples, que a criança possa acompanhar, também exercem grande fascínio. Outro recurso é a transformação do contador de histórias com roupas e objetos característicos. A criança acredita, realmente, que o contador de histórias se transformou no personagem ao colocar uma máscara, chapéu, capa, etc..

Podemos enriquecer a base de experiências da criança, variando o material que lhe é oferecido. Materiais como massa de modelar e argila atraem a criança para novas experimentações. Por exemplo, a história do "Bonequinho Doce" sugere a confecção de um bonequinho de massa, e a história da "Galinha Ruiva" pode sugerir amassar e assar um pão.

Assim como as histórias infantis, os contos de fadas têm um determinado momento para serem introduzidos no desenvolvimento da criança, variando de acordo com o grau de complexidade de cada história.

Os contos de fadas, tais como: "O Lobo e os Sete Cabritinhos", "Os Três Porquinhos", "Cachinhos de Ouro", "A Galinha Ruiva" e "O Patinho Feio" apresentam uma estrutura bastante simples e têm poucos personagens, sendo adequados à crianças entre 3 e 4 anos. Enquanto, "Chapeuzinho Vermelho", "O Soldadinho de Chumbo" (conto de Andersen), "Pedro e o Lobo", "João e Maria", "Mindinha" e o "Pequeno Polegar" são adequados a crianças entre 4 e 6 anos.

6 anos a 6 anos e 11 meses:

Os contos de fadas citados na fase anterior ainda exercem fascínio nessa fase. "A Branca de Neve e os Sete Anões", "Cinderela", "A Bela Adormecida", "João e o Pé de Feijão", "Pinóquio" e "O Gato de Botas" podem ser contadas com poucos detalhes.

 

 

De que forma você acredita que poderia ser melhor trabalhado estas histórias????

 

Teste seu conhecimento respondendo o quiz

Quiz 1:

http://carolguxavg.googlepages.com/perguntas1.htm

Quiz 2:

 http://carolguxavg.googlepages.com/perguntas2.htm



Escrito por Caroline Vergara às 20h35
[   ] [ envie esta mensagem ] [ ]






Os 33 melhores livros infantis desde 1974

(Concurso Fundação Nacional do Livro Infantil e Juvenil)

 

 

 

O rei de quase tudo- Eliardo França

Angélica- Lygia Bojunga

A bolsa amarela - Lygia Bojunga

Pedro - Bartolomeu Campos de Queirós

Coleção Gato e Rato - Mary França

Raul da ferrugem azul - Ana Maria Machado

O curumim que virou gigante - Joel Rufino dos Santos

O que os olhos não vêem -  Ruth Rocha

Uni duni tê - Angela Lago

Os bichos que tive - Sylvia Orthof

É isso ali - José Paulo Paes

Uxa, ora fada, ora bruxa - Sylvia Orthof

O menino marron - Ziraldo

Uma ilha lá longe - Cora Rónai

A mãe da mãe da minha mãe - Terezinha Alvarenga

As viajem de Raoni - Pedro Veludo

Sua alteza a Divinha - Angela Lago

O menino de olho d'água - José Paulo Paes

Eu e minha luneta - Cláudio Martins

Asa de papel - Marcelo Xavier

Coleção assim é se lhe parece - Angela Carneiro, Lia Neiva, Sylvia Orthof

A cristaleira - Graziela Bozano Hetzel

Menino do rio doce - Ziraldo

Minhas memórias de Lobato - Luciana Sandroni

Dez sacizinhos - Tatiana Belinky

Ludi na Revolta da Vacina: uma odisséia no Rio Antigo - Luciana Sandroni

Chica e João - Nelson Cruz

Mania se explicação - Adriana Falcão

A princesinha medrosa - Odilon Moraes

O segredo da chuva - Daniel Munduruku

Pedro e a Lua - Odilon Moraes

Mururcututu a coruja grande da noite - Marcos Bagno

O menino, o cachorro - Simone Bibian

 

Você ja utilizou algum desses livros em suas aulas???

 

Você conhece os personagens dos clássicos infantis?Descubra através do link:

http://carolguxavg.googlepages.com/associao.htm



Escrito por Caroline Vergara às 20h08
[   ] [ envie esta mensagem ] [ ]










A importância da leitura



A melhor forma de obter conhecimento é cercar-se de bons livros

As tecnologias do mundo moderno fizeram com que as pessoas deixassem a leitura de livros de lado, isso resultou em jovens cada vez mais desinteressados pelos livros, possuindo vocabulários cada vez mais pobres. A leitura é algo crucial para a aprendizagem do ser humano, pois é através dela que podemos enriquecer nosso vocabulário, obter conhecimento, dinamizar o raciocínio e a interpretação. Muitas pessoas dizem não ter paciência para ler um livro, no entanto isso acontece por falta de hábito, pois se a leitura fosse um hábito rotineiro as pessoas saberiam apreciar uma boa obra literária, por exemplo. Muitas coisas que aprendemos na escola são esquecidas com o tempo, pois não as praticamos, através da leitura rotineira tais conhecimentos se fixariam de forma a não serem esquecidos posteriormente. Dúvidas que temos ao escrever poderiam ser sanadas pelo hábito de ler, talvez nem as teríamos, pois a leitura torna nosso conhecimento mais amplo e diversificado. Durante a leitura descobrimos um mundo novo, cheio de coisas desconhecidas. O hábito de ler deve ser estimulado na infância, para que o indivíduo aprenda desde pequeno que ler é algo importante e prazeroso, assim com certeza ele será um adulto culto, dinâmico e perspicaz. Saber ler e compreender o que os outros dizem nos difere dos animais irracionais, pois comer, beber e dormir até eles sabem, é a leitura que proporciona a capacidade de interpretação. Toda escola, particular ou pública, deve fornecer uma educação de qualidade incentivando a leitura, pois dessa forma a população se torna mais informada e crítica.




Por Eliene Percilia

Equipe Brasil Escola



O que você faz pra incentivar a leitura com seus alunos???



Escrito por Caroline Vergara às 21h31
[   ] [ envie esta mensagem ] [ ]






"Literatura Infantil são os livros que têm a capacidade de provocar a emoção, o prazer, o entretenimento, a fantasia, a identificação e o interesse da criançada."
(Leo Cunha)

 



Escrito por Caroline Vergara às 21h10
[   ] [ envie esta mensagem ] [ ]






[ página principal ] [ ver mensagens anteriores ]
border=0